terça-feira, 30 de novembro de 2010

Chave de respostas da prova dissertativa de HISTÓRIA

CHAVE DE RESPOSTAS - HISTÓRIA

05.
A questão discute o tema da Antiguidade Oriental, mais especificamente a civilização egípcia. Vejamos as respostas para os dois itens.

a) Várias características podiam ser mencionadas pelo candidato nesta questão. O próprio enunciado apresenta a ideia de que era o poder centralizado no Egito que controlava a agricultura irrigada (construção/manutenção dos sistemas de irrigação).

A direção centralizada, ou seja, o controle estatal sobre as forças produtivas da sociedade forçou a instituição da servidão coletiva, um tipo de mão-de-obra que condicionava grande parte da população camponesa do Egito Antigo a ser subserviente ao Estado faraônico.
A centralização esteve vinculada à teocracia, isto é, ao sistema de governo em que a religião justifica o poder político, tendo em vista que o faraó é considerado uma divindade, o que torna sua autoridade inquestionável.
b) Inicialmente, é exigida a explicação do significado das pirâmides. Dessa maneira, tais construções estão ligadas à religiosidade presente na sociedade egípcia, que se mantinha intimamente ligada à política do Estado faraônico. Elas eram entendidas como templos funerários que cumpriam a função de guardar o corpo do faraó – sua família ou membros da nobreza – e reservá-lo à eternidade, de acordo com as crenças daquele povo.

Quanto maiores e mais luxuosas fossem as pirâmides, a exemplo do conjunto arquitetônico de Gizé – retratado na imagem do enunciado – mais significativo era o poder do governante. Lembre-se, portanto, que estes templos funerários representavam um poder simbólico do Estado egípcio, centralizado e teocrático, frente à população daquele território.


06.
a) A questão é bastante ampla. O candidato poderia explicar, dentre outras, as seguintes características da doutrina nazista:
  • Ideia da superioridade racial ariana – construída em torno de uma perspectiva eugênica e social-darwinista, considerava os alemães (arianos) superiores aos demais povos de características mestiças. Havia uma busca pela perfeição estética do modelo de homem ariano, constantemente propagandeado pelo Estado nazista.
  • Antissemitismo – a perseguição às populações semitas – especialmente os judeus, os quais viviam fora de seu território de origem – resultou num grande genocídio de aproximadamente seis milhões de pessoas.
  • Militarismo – aparelhamento militar do Estado alemão com finalidade de conquistar territórios e promover a guerra, considerada indispensável para a expansão dos ideais nazistas.
  • Teoria do Espaço Vital – justificou a ação imperialista do Estado alemão na disputa por territórios considerados vitais para o desenvolvimento econômico da sociedade. Como exemplos, lembramos a região da Alsácia-Lorena, na fronteira com a França.
  • Coletivismo – ideia de que todos os membros da sociedade devem apoiar e servir ao Estado em todas as esferas sociais, sejam elas civis ou militar. O objetivo era a padronização social de acordo com os projetos nazistas.
  • Uso da propaganda – exaltação das ações do Estado e da figura do seu líder através da utilização dos recursos de comunicação, como o rádio, o cinema e a fotografia.

b) Nesta questão, o candidato deveria apoiar a sua resposta nos conhecimentos adquiridos, particularmente, sobre a Era Vargas (1930-1945) no Brasil. As influências da doutrina nazista no Brasil podem ser as seguintes:

  • Ação Integralista Brasileira (AIB) – partido político existente durante o governo varguista que se apoiou nos modelos nazifascistas existentes na Europa. Como exemplos das práticas integralistas, temos a utilização de símbolos (sigma) e rituais capazes de identificar os integrantes deste movimento. Também destacamos a presença do militarismo como fator imprescindível (formação de tropas paramilitares integralistas).

O governo de Getúlio Vargas, embora não possa ser compreendido como nazifascista, apresentou várias influências daquele modelo. Dentre elas, podemos destacar:

  • Nacionalismo – interesse do Estado em valorizar a economia interna através da criação de empresas estatais e da intervenção do Estado, realizando protecionismos e substituindo importações. Esse desenvolvimento econômico deveria sustentar a lógica de um país soberano, que afirmava seus símbolos nacionais e sua cultura através da propaganda do Estado.
  • Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) – a exemplo dos modelos nazi-fascistas, o governo Vargas criou o DIP para exaltar as ações do Estado nacional e conseguir apoio da população para os seus projetos.
  • Centralização política – ocorrida no Estado Novo (1937-1945) impedia o desenvolvimento da democracia através da implantação de um regime ditatorial, que concentrou os poderes no executivo e fechou o congresso nacional.
  • Controle das classes trabalhadoras – a partir da perspectiva do trabalhismo, política realizada pelo Estado que visava a cooptação dos sindicatos e das lideranças operárias. Recorde-se que tal perspectiva também foi praticada pelo regime nazista.

07.


a) Toda a questão deve ser trabalhada a partir de discussões sobre o mercantilismo europeu. O candidato poderia utilizar como fatores os próprios princípios que sustentavam o mercantilismo, bem como elementos que contribuíram para a formação dessas práticas econômicas existentes no Antigo Regime.

Princípios do mercantilismo que podem ser abordados (fatores internos):

  • Balança comercial favorável – princípio mercantilista que visava a expansão comercial europeia, cujo objetivo seria desenvolver mercados consumidores e fontes de matérias-primas que gerassem lucros para os negócios das metrópoles. Uma das medidas mais eficazes para alcançar tais objetivos foi a constituição de colônias no continente americano.
  • Metalismo – busca por metais preciosos – ouro e prata – significados maiores da riqueza nacional que permitia aos Estados modernos realizar seus empreendimentos comerciais.

Fatores externos que levaram à expansão marítima:

  • Participação da burguesia no Estado absolutista (aliança entre o rei e a burguesia).
  • Busca por novas rotas comerciais – tentativa de encontrar novos caminhos para o comércio com o oriente, fugindo do monopólio comercial das cidades italianas e do bloqueio árabe realizado no mar Mediterrâneo após a tomada de Constantinopla pelos turco-otomanos (1453).
  • Expansão da fé cristã – inserida num ideal cruzadista, compreende-se dentro do contexto de crise da Igreja Católica, provocado pelos questionamentos dos primeiros reformadores, pensadores renascentistas e desaparecimento do modelo feudal de sociedade (crescimento da burguesia e das cidades – renascimento urbano e comercial).

b) A construção da Fortaleza dos Reis Magos aconteceu no período da União Ibérica (1580-1640), momento em que as coroas de Espanha e Portugal estavam sob o domínio de um mesmo monarca. Assim, o Brasil também ficava sob a sua administração.


O candidato deveria lembrar que, embora o Novo Mundo tivesse sido dividido entre Portugal e Espanha pelo Tratado de Tordesilhas (1494), havia muitas nações europeias que não aceitavam este dispositivo internacional. Assim, o litoral da capitania do Rio Grande, ainda não colonizado, estava ameaçado pela presença contínua de navegadores franceses, os quais praticavam o comércio com as populações indígenas locais, dificultando o sucesso da conquista e da colonização das terras potiguares.


Portanto, o aluno deveria lembrar como razões para a construção da fortaleza as seguintes perspectivas:

  • Combater a presença francesa e garantir a posse do território;
  • A partir da capitania do Rio Grande, que possui localização geográfica privilegiada, os portugueses poderiam expandir seu domínio sobre outras regiões da colônia, como o Ceará e o Maranhão.

8.

O aluno deve lembrar, inicialmente, que os processos de industrialização do Brasil ocorreram de maneiras distintas entre o século XIX e a Era Vargas. Para falar do surto industrial inicial, recordemos o desenvolvimento de indústria de bens de consumo não duráveis; já com a Era Vargas, o Brasil passou a conhecer as indústrias de base e de bens de consumo duráveis.

Como mudanças socioeconômicas provocadas pelo processo industrial ocorrido no recorte abordado pelo enunciado, pode-se destacar:

  • Transição do trabalho escravo para o trabalho assalariado;
  • Imigrantes – italianos, alemães, turcos, japoneses;
  • Migrações, relacionadas ao êxodo rural;
  • Formação de novos grupos urbanos – burguesia empresarial e classe operária;
  • Organização política dos trabalhadores – greves e partidos políticos (PCB);
  • Favorecimento das cidades nas políticas públicas dos governantes em detrimento do campo;
  • Mobilidade social das mulheres, que passaram a requerer o seu espaço na sociedade urbana, industrial e capitalista;
  • Conquista dos primeiros direitos trabalhistas, depois garantidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT);
  • Desenvolvimento de algumas regiões do país que ganharam que se destacaram com economias que atendiam as demandas industriais. Exemplos: algodão (RN – indústria têxtil), cacau (BA – indústria alimentícia) e borracha (Amazônia – indústria de bens de consumo).

9 comentários:

Mariano de Azevedo disse...

Foram horas de discussões entre nós, professores, para elaborar as melhores chaves de resposta da prova de História que vocês podem encontrar disponíveis em qualquer meio de comunicação do Estado.

Temos um compromisso com os nossos alunos e queremos deixar todos muito seguros daquilo que responderam na prova de hoje.

A prova, em si, foi fácil. Todos os assuntos foram trabalhados durante o ano e nas revisões.

Contamos com os comentários de todos que vieram aqui e leram as respostas que elaboramos. Gostamos de sempre ter esse retorno prazeroso e importante dos alunos que formamos e orientamos durante o ano.

Agora que vocês cumpriram uma importante missão (para muitos, a mais importante do ano): descansem, divirtam-se, relaxem e sejam felizes!

Sucesso a todos e esperamos econtrá-los na UFRN em 2011.

Um abraço caloroso em todos aqueles que confiaram em nosso trabalho.

Anônimo disse...

Uhhhhuuuu, boa, tudo q escrevi está no contexto do q vcs colocaram na chave de resposta. Obg profs do cis.

Rodrigo Seixas

Anônimo disse...

Mais feliz imopssível. Minhas respostas estão também dentro desse contexto que vocês elaboraram. Podem dizer o que for, mas a equipe de humanas do CIS é a melhor. Agradeço demais a cada um e que ano que vem, eu veja vocês apenas como amigos, ex-professores e eternos educadores. Obrigada de coração.

Giuliana Ávila disse...

Oi! Outra possível resposta da questão 6 letra B poderia ser o surgimento de correntes neonazistas?

João Carlos Rocha disse...

Giuliana, como a questão não estabelece um recorte cronológico, creio que o surgimento de correntes neonazistas pode ser abordado. O mais importante é que sua argumentação tenha sido bem feita.

Bas férias!

Felipe disse...

Olá professores,
Acho que todas as minhas respostas enquadraram nas "palavras chaves" que vocês colocaram, mas uma dúvida que tive logo após a prova e ainda permanece em mim é:
Eu poderia citar o pequeno crescimento industrial no fim do 2º império que o “barão de Mauá“ trouxe para o Brasil. Citei exemplos como: industria têxtil assalariada, ferrovias, iluminação publica e outros...
Outra dúvida, fiz textos enormes e quando fui passar a limpo não tinha muito tempo e fiz as pressas, quantos pontos posso perder por letras “garranchudas” e erros ortográficos?
Grato.

Felipe disse...

*"Eu poderia citar o pequeno crescimento industrial no fim do 2º império que o “barão de Mauá“ trouxe para o Brasil. Citei exemplos como: industria têxtil assalariada, ferrovias, iluminação publica e outros..."
Essa pergunta se refere à questão de número 8

Raíssa disse...

Parabéns à toda a equipe do CIS! E boas férias para os alunos.

Anônimo disse...

O incentivo ao processo de branqueamento da população no governo de Vargas também foi uma da influências da doutrina nazista?