segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Pensar é transgredir.


Não lembro em que momento percebi que viver deveria ser uma permanente reinvenção de nós mesmos — para não morrermos soterrados na poeira da banalidade embora pareça que ainda estamos vivos.

Mas compreendi, num lampejo: então é isso, então é assim. Apesar dos medos, convém não ser demais fútil nem demais acomodada. Algumas vezes é preciso pegar o touro pelos chifres, mergulhar para depois ver o que acontece: porque a vida não tem de ser sorvida como uma taça que se esvazia, mas como o jarro que se renova a cada gole bebido.

Para reinventar-se é preciso pensar: isso aprendi muito cedo.

Apalpar, no nevoeiro de quem somos, algo que pareça uma essência: isso, mais ou menos, sou eu. Isso é o que eu queria ser, acredito ser, quero me tornar ou já fui. Muita inquietação por baixo das águas do cotidiano. Mais cômodo seria ficar com o travesseiro sobre a cabeça e adotar o lema reconfortante: "Parar pra pensar, nem pensar!"

O problema é que quando menos se espera ele chega, o sorrateiro pensamento que nos faz parar. Pode ser no meio do shopping, no trânsito, na frente da tevê ou do computador. Simplesmente escovando os dentes. Ou na hora da droga, do sexo sem afeto, do desafeto, do rancor, da lamúria, da hesitação e da resignação. Sem ter programado, a gente pára pra pensar.

Pode ser um susto: como espiar de um berçário confortável para um corredor com mil possibilidades. Cada porta, uma escolha. Muitas vão se abrir para um nada ou para algum absurdo. Outras, para um jardim de promessas. Alguma, para a noite além da cerca. Hora de tirar os disfarces, aposentar as máscaras e reavaliar: reavaliar-se.

Pensar pede audácia, pois refletir é transgredir a ordem do superficial que nos pressiona tanto.

Somos demasiado frívolos: buscamos o atordoamento das mil distrações, corremos de um lado a outro achando que somos grandes cumpridores de tarefas. Quando o primeiro dever seria de vez em quando parar e analisar: quem a gente é, o que fazemos com a nossa vida, o tempo, os amores. E com as obrigações também, é claro, pois não temos sempre cinco anos de idade, quando a prioridade absoluta é dormir abraçado no urso de pelúcia e prosseguir, no sono, o sonho que afinal nessa idade ainda é a vida.

Mas pensar não é apenas a ameaça de enfrentar a alma no espelho: é sair para as varandas de si mesmo e olhar em torno, e quem sabe finalmente respirar. Compreender: somos inquilinos de algo bem maior do que o nosso pequeno segredo individual. É o poderoso ciclo da existência. Nele todos os desastres e toda a beleza têm significado como fases de um processo.

Se nos escondermos num canto escuro abafando nossos questionamentos, não escutaremos o rumor do vento nas árvores do mundo. Nem compreenderemos que o prato das inevitáveis perdas pode pesar menos do que o dos possíveis ganhos.

Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem.

Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada.

Parece fácil: "escrever a respeito das coisas é fácil", já me disseram. Eu sei. Mas não é preciso realizar nada de espetacular, nem desejar nada excepcional. Não é preciso nem mesmo ser brilhante, importante, admirado.

Para viver de verdade, pensando e repensando a existência, para que ela valha a pena, é preciso ser amado; e amar; e amar-se. Ter esperança; qualquer esperança.

Questionar o que nos é imposto, sem rebeldias insensatas mas sem demasiada sensatez. Saborear o bom, mas aqui e ali enfrentar o ruim. Suportar sem se submeter, aceitar sem se humilhar, entregar-se sem renunciar a si mesmo e à possível dignidade.

Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for.

E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer.

Lya Luft.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

China é maior exportador do mundo.


A China alcançou mais um recorde em 2009. Detentora do maior mercado automotivo e siderúrgico do mundo, o pais superou a Alemanha e foi o que mais exportou no ano passado. Foram exportados mais de US$ 1,2 trilhão em produtos, acima dos US$ 1,17 trilhão previstos para as exportações da Alemanha. Segundo reportagem do Estado, a crise global acelerou o crescimento da China, estimulada pelo incentivo governamental de US$ 586 bilhões, fazendo com que a economia e o consumo fossem mantidos em alta, enquanto os Estados Unidos e outros mercados enfrentavam dificuldades com a recessão.

Vice de Arruda causa rompbode R$ 27 milhões.


Investigação do Ministério Público Federal (MPF) responsabiliza o grupo empresarial do vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octávio (foto), por rombo de R$ 27 milhões aos cofres da Caixa Econômica Federal. Segundo reportagem do Estadão, cinco denúncias teriam sido feitas pelo MPF na Justiça Federal, por causa de uma série de irregularidades encontradas na construção de um shopping na capital, feita pelo Grupo Paulo Octávio em parceria com o Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa. Segundo a investigação, há vários indícios de que ex-diretores do fundo autorizaram repasses às empresas do vice- governador “como estratagema para subtrair indevidamente recursos”.

Procuradores estariam envolvidos em mensalão do DEM.


Em reportagem exclusiva, ÉPOCA afirma que o principal delator do mensalão do DEM Durval Barbosa relatou suposto pagamento de propinas ao procurador-geral de justiça do Distrito Federal, Leonardo Bandarra (foto), e à promotora de Justiça Deborah Guerner. Em depoimento dado no dia 11 de dezembro à Procuradoria da República, Durval descreveu uma reunião em que o governador Arruda teria afirmado que pagava propina de R$ 150 mil por mês ao procurador Bandarra, referente ao contrato público de coleta de lixo. Segundo ele, em três anos de governo Arruda, cinco prorrogações teriam sido feitas, sem licitação, dos contratos de coleta de lixo no Distrito Federal, um negócio de cerca de R$ 760 milhões por ano.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

O candidato.

video

Essa pérola é do arquiteto e poeta paraibano Jessier Quirino. Viva a cultura popular brasileira!

Viva Jessier Quirino!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

CIS NA EUROPA


Aqui estamos todos, recém-chegados ao aeroporto de Lisboa, Portugal. As expectativas sao muitas. Sem sombra de dúvida, teremos muitas histórias (históricas e geográficas) para contar. Aguardem novidades.

EQUIPE CIS.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Presente de Natal.

Os brasileiros, e em especial, os natalenses, ganharam um lindo presente neste fim de ano: trata-se do Instituto Câmara Cascudo, inaugurado ontem à noite pela família do escritor e pesquisador potiguar.

A festa, muito bonita, contou com a presença da governadora, Wilma de Faria, de artistas, intelectuais e jornalistas.


O Instituto Câmara Cascudo vai funcionar na casa onde Cascudo viveu grande parte de sua vida, na Ribeira, e será administrado pela sua neta, Daliana Cascudo Roberti Leite.


Estão lá móveis, biblioteca, fotos e condecorações que o folclorista recebeu por esse mundo afora além de uma lojinha. É bom que se diga que tudo foi bancado com recursos privados, a família não recebeu um centavo dos cofres públicos.


Uma proeza na Taba.


Viva Cascudo!


Inflação argentina é a terceira maior do mundo.


Reportagem do Estado afirma que a inflação “real” da Argentina seria a terceira maior do mundo. Apesar de o governo de Cristina Kirchner (foto) afirmar que a inflação não teria passado dos 8% no ano passado, economistas independentes, associações empresariais, sindicatos e organizações de defesa do consumidor indicam que os índices inflacionários alcançaram em 2009 18%. Os cálculos extraoficiais colocam a economia argentina em uma posição complicada. De acordo com o Fundo Monetário Internacional, a inflação “real” argentina é menor apenas que a congolesa, de 31,2%, e que a venezuelana, de 28%. Para 2010, as estimativas do governo indicam que a inflação será de apenas 6,1%, mas consultorias privadas calculam que o índice alcançará 17%.

Cresce formalização do trabalho no Brasil.

Dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) concluem que a formalização avança cada vez mais no Brasil. De acordo com o pesquisador Marcelo Neri, do Centro de Pesquisas Sociais (CPS) da FGV, o principal fator da mudança social é a pressão dos trabalhadores formalizados sobre os informais. “Imagine o impacto do McDonald’s na Rocinha na vida do vendedor de churrasquinho. Isso acontece em diferentes tipos de negócio”, afirma Neri, em entrevista ao jornal Estado. O pesquisador concluiu que o número de empregadores aumentou de 3.347.564 em 2007 para 4.095.249 em 2008. Segundo a reportagem, um dos empurrões para o crescimento das empresas formais foi a Lei do Microempreendedor Individual, em vigor desde junho. A previsão era que até dezembro se chegasse a 100 mil microempresários regularizados. Mas 2009 deve fechar com 110 mil, segundo previsão do Ministério do Desenvolvimento e do Sebrae.

Em sua décima edição, o Fórum Social Mundial será novamente em Porto Alegre.



Comemorando dez anos de sua primeira edição, o Fórum Social Mundial volta a ser organizado em Porto Alegre. O evento, criado para contrapor o Fórum Econômico Mundial, que ocorre em janeiro em Davos, na Suíça, celebrará o que os organizadores chamam de uma nova cultura política na esquerda mundial. Entre os convidados estão personalidades como a feminista peruana Virginia Vargas, o filósofo norte-americano Immanuel Wallerstein e o economista egípcio Samir Amin. De acordo com o UOL Notícias, cerca de quatro mil participantes são aguardados na capital gaúcha para abrir a série de 30 encontros do Fórum, que se estenderão por vários cantos do mundo até janeiro de 2011, quando o evento centralizará os debates em um grande ato político marcado para Dacar, Senegal.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010