quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Shimon Peres defende dois Estados na questão árabe-israelense.


O homem que vai decidir o futuro governante de Israel defendeu, em artigo publicado ontem no The Washington Post e reproduzido hoje pelo Estadão, a solução de dois Estados para o conflito árabe-israelense. Recentemente, algumas figuras importantes se posicionaram a favor de um Estado único na Palestina, entre eles o líder líbio Muamar Kadafi. Na visão de Shimon Peres, essa proposta tem falhas intrínsecas que a anulam por completo, como a crença em que o povo judeu abdique da existência de um Estado judaico. O presidente israelense acredita que não há como palestinos e judeus conviverem no mesmo espaço harmoniosamente. Mas não é de todo cético: Talvez, um dia, eles concluam, como na Europa, que não devem existir fronteiras que inibam a coordenação econômica ou sirvam de motivo para a guerra.

Um comentário:

Palhares disse...

Fico me perguntando o que esse discurso trará de positivo para Israel e os EUA. Acredito que a criação de dois Estados pode amenizar o conflito, mas não apagará anos de humilhações trocadas, nem tão pouco impedirá os EUA de agirem, a qualquer momento, em prol dos seus interesses políticos e econômicos na região, o que é confirmado pelo discurso do atual presidente Israelense "...não devem existir fronteiras que inibam a coordenação econômica...". Chega a ser paradoxal o homem que um dia ganhou o Premio Nobel da Paz afirmar que interesses econômicos serão um dia guardiões da Paz nesta região na qual "o sagrado virou profano"...