quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Carta testamento.


Cansei. E não é o cansaço físico que o sono justo e reparador entre o pôr e o nascer do sol tenha condições de resolver. Minha fadiga, talvez seja partilhada por um batalhão de cidadãos comuns, Marias e Josés, que são comprimidos, como gado para o abate, nos ônibus e alternativos da vida, quando se dirigem para os seus trabalhos discreta e injustamente remunerados, nestas terras de marajás e outras pedantes e insuportáveis sumidades municipais, estaduais e federais de plantão.

Cansei, confesso; plena e irremediavelmente! A mediocridade que impera no nosso tempo, venceu-me, admito. Fui batido pelas celebridades contemporâneas que ao invés de cérebro expõem apenas nádegas e seios siliconados, e, em outros casos, bíceps e tórax bem definidos. Esses seres estranhos, alguns jovens e belos, outros nem tanto e outros ainda, nem uma coisa, nem outra, que geralmente, atendem por monossílabos ou, no máximo, dissílabos, adoram um diminutivozinho, “tipo” “homenzinho” ou “mulherzinha”. Esses seres me causam medo, não pelo que fazem ou dizem, já me acostumei com eles entre nós, mas pela herança genética que vão deixar! Augusto dos Anjos, em “A idealização da Humanidade Futura”, já havia me advertido e eu, à época, um teimoso idealista não acreditara... tenho que admitir que o grande poeta paraibano estava certo e parabenizá-lo não só pela percepção mas, principalmente, pelo fato de não ser obrigado a assistir a tamanho horror; é uma ópera bufa dos mortos-vivos, perambulando, impunemente, em calçadas e canteiros públicos, a arrancar as raízes do sossego alheio, com seus carros importados e seus CD’s piratas de alguns vinténs, tocando, às alturas, aqueles grupos falsários do forró ou charlatões do pagode; seguramente quadrilhas de homicidas da verdadeira música popular brasileira.

Cansei, confesso; plena e irremediavelmente! Não suporto mais os fantoches da mídia e suas opiniões, seus relatos sobre regimes para manter a forma, seus discursos hipócritas contra o cigarro, em nome da saúde, e, paradoxalmente, suas posturas etílicas pelos botecos das sarjetas periféricas; não suporto mais ver apenas as fitness da moda lotadas no verão e as bibliotecas vazias. As marionetes da televisão, a primeira vista parecem mansões de belos jardins e aprazíveis fontes; todavia, seus interiores dão guarida a desertos medonhos. São soldados acéfalos e obedientes; são cães de guarda das novas modas e das próximas ordens, apenas à espreita, à espera de um novo comando.

Cansei, confesso; plena e irremediavelmente! Perdoem-me se é que a virtude do perdão também ainda não foi destruída pela violência da insistente estupidez coletiva reinante. Não sou mais capaz de suportar os modismos débeis a desfilarem em shopping centers; a expansão do império dos desvalores, o coroamento da ignorância, a sagração do desprezível, a permissibilidade cômoda da covardia, o cinismo conivente dos libertinos e a platéia ensandecida desse zoológico humano ávida de trevas. Não suporto mais, apesar de ter tentado, nestes últimos anos, ser espectador desse espetáculo. Nego-me a beber deste vinagre e partilhar do que sobrou do banquete dos urubus. Permito-me quedar derrotado à declamar odes à putrefação, a cantar um réquiem para a qualidade e a dançar de braços dados com o caos. Nego-me, na decência dos vencidos, a aceitar o que não fui capaz de evitar e não sou capaz de derrotar, sozinho.
Adailton Figueiredo.

22 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns, Adaílton!
Sempre dando um show de reflexão.

Anna Paula Rodrigues disse...

Nossa!
Faz muito tempo que não entro no Blog, e hoje senti saudade dos textos maravilhosos que a equipe dele nos oferece diariamente. Mas não esperava um texto tão desesperador , um desabafo de alguém que parece estar revoltado, angustiado.....entre outros conflitos que se revela no texto.
O pior de tudo e quando se chega no final do texto, e você conclui que essa e a realidade que enfrentamos hoje e que muitas vezes ninguém se da conta dela.

P.S.: “Carta testamento”, posso saber quem é o garoto da foto?

Adailton Figueiredo disse...

Anônimo,
Obrigado pelo elogio.

Maria Luísa disse...

Adailton, parabéns!Suas palavras externam brilhantemente o que muitos de nós pensamos, mas que poucos têm coragem de admitir!Concordo plenamente com você!Quero externar-lhe minhas profundas congratulações mais uma vez por ser essa pessoa e profissional tão comprometido com a verdade .
Abraço!

Adailton Figueiredo disse...

Olá Ana Paula Rodrigues,

Obrigado pelo comentário. Quanto a foto, após eu ter escrito o texto fui a internet em busca de uma foto que tivesse relação com o texto e encontrei-a no seguinte endereço: http://renatosoti.blogspot.com/2008_08_09_archive.html
Portanto, não sei que é esse jovem.

Adailton Figueiredo disse...

Maria Luísa,

Muito obrigado pelas palavras gentis para comigo; são mais frutos de sua generosidade que do meu valor.

Jussara cardoso disse...

Não convém para o sistema capitalista que a massa tenha um senso crítico, muito menos usufruir do boicote.
Essa é a Geração trangênica!!!
Parabéns pelo texto.

Délio Augusto disse...

Assino embaixo, professor Adailton! De fato a nossa sociedade está se corrompendo cada dia mais, porém são poucos os que conseguem se dar conta disso e outros tantos, infelizmente, são influenciados pelos diversos veículos de comunicação. É nessas horas que percebemos o quanto ainta temos o que evoluir! Parabéns pelo texto.

Vívian Kelly disse...

Parabéns Adailton pelo belíssimo texto!
É com muito orgulho que digo que fui sua aluna e serei sua eterna fã.
Você é mais que especial,uma mente brilhante,um professor excelente,um homem admirável...
Sou grata por tudo que me ensinou,não apenas na disciplina de história mas também para minha vida como pessoa pensante.
Muito obrigada por tudo! E mais uma vez parabéns pelo ser humano que você é!

Dandara disse...

Esse é o grande motivo para eu manter esse blog nos meus favoritos, mesmo depois do vestibular.

Se isso ainda servir de consolo, Adailton, continuam existindo pessoas que vivem e pensam e que tentam fazer algo por essa realidade.
Posso estar tendo a mesma teimosia que você, mas meus olhos são jovens e ainda suportam muita coisa.
Parabéns pelo texto. E obrigada, devo dizer.

Guilherme C Neri disse...

professor Adailton queria-lhe pergunta uma coisa

sei que a foto ta intextualisando mas não sei o porque daque`le "afrodescendente" esta usando a suástica

ele ta usando a suástica pq sabe que significa ciclo da reencarnação, pois ele acredita nisso?(creio que nao)

Ou

B) ele esta usando a suástica pq é ignorante e nao sabe que desde a segunda guerra mundial a suástica é um dos símbolos que mais remete ao nazismo?

desculpem os erros de portugues que tem no meu texto

Flávia Câmara disse...

Professor Adailton parabéns pelo texto e pelo pensamento!Numa sociedade capitalista (indivídualista) na qual vivemos são poucos que pensam dessa forma!

Anônimo disse...

Texto brilhante!!!!

Cansada ja estou a muito tempo...
Descobri que é melhor me camuflar com as exigências dessa sociedade , que ser martirizada ao refletir sobre ela...
Em homenagem a darwin: sobrevive quem melhor se adapta!

Ana Agra disse...

Sinceramente, o texto é muito do que eu queria dizer, mas não sabia como. Estou cansada e também confusa. Não entendo porque jovens, principalmente, se desvalorizam tanto apenas para ter popularidade. Não entendo como as pessoas podem ser tão influenciadas pela mídia, e não saberem interpretar o que foi dito. Não entendo como uma sociedade despreza a história do seu povo e seus valores culturais. Não entendo qual a graça de cantarem músicas que desvalorizam a mulher e expõem o que deveria ser íntimo de um indivíduo. E também tenho medo das futuras gerações.
E só para alguns "anônimos", não é por causa da grande massa desinformada que a sociedade é o que é. Mas sim porque a minoria "informada" é covarde o bastante para não reinvindicar os reais valores sociais.
Prefiro que riam de mim por minhas opiniões, do que aceitar essa baderna.

Vanessa (paulinha) disse...

Parabéns pelo belíssimo texto, Adailton.
Você, como sempre, nos presenteando com suas sábias palavras e inenarráveis reflexões.
O mundo precisa de educadores como você, para que futuramnte, possamos (nós - os jovens) ser capaz de extrair o que há de bom no interior dos que formam nossa sociedade.

Selma Barros disse...

Professor, parabéns pelo excelente texto.
É realmente cansativo viver numa sociedade como a nossa, em que os reais valores são desprezados e apenas o esteriótipo se destaca.
Parabens mais uma vez pelo texto, por pensar dessa maneira e saber expor o tema. É importante para que possamos refletir sobre o assunto.

Lucas Wallace disse...

Mais uma vez, otimo texto.
Eh... Na sociedade em que vivemos o que se quer menos saber na conjuntura capitalista é se Fulano gosta de ler ou se Cicrano gosta de criticar ou defender uma posiçao contrária ao contexto em que ele vive. Se ele o faz, é posto a prova.
O "I have a dream" soou tao forte em terras americanas por um negro há quarenta anos. Qual foi seu fim? Essa sociedade nos estrangula de tal forma que se você tem uma cabeça mais esclarecida com certos assuntos, o invisivel do capitalismo ou a midia não precisa aparecer pra nos como fantasmas. As proprias pessoas encarnam o mal do capitalismo em atos sitados no textos. Opinioes, gosto musical, ate mesmo de se vestir. Vamos para gosto musical. O que sao essas musicas descartaveis ano a ano que passam e sao tao ruins que tem seu prazo de validade? Vivemos a sociedade da nao pesquisa por algo interessante. A midia veicula coisas de tal forma que impregna a mente humana, aliás de nos inocentes humanos. Nao posso deixar o contraponto. Tambem nao posso ser injusto, temos mídias alternativas, não alternativas, mas atuantes e sérias que expoe assuntos importantissimos.
A sociedade dos descartaveis, a sociedade do contetamento. A sociedade dos tres macaquinhos (nao ouço, nao falo, nao vejo).
A nossa sociedade! Somos tão covardes a ponto de se calar e ver a banda passar... Se ao menos nossa voz tivesse potencias maiores que os decibeis dos paredoes de musicas ou trios eletricos da musica popular de um novo Brasil, de um outro Brasil, do CONTENTAMENTO.

Pedro Paulo disse...

Obrigado Adaílton, não o tenho só como grande mestre de história, mas como grande educador que todos profissionais (professores) devem ser. Agradeço por ser teu aluno, pois foram educadores como você que fomraram meu caráter. Também não suporto a grande desvalorização da boa cultura e otimização por aquilo que é mais vulgar e que só faz decrescer a mente das pessoas, tornando-as cada vez mais escravas do que é il e vulgar. Muito obrigado Adaílton!

(Se for possível, envie-me uma lista de obras literárias e músicos de boa qualidade! Sempre quis pedi-te isso, mas sei que não tens tanto tempo pra isso, porém envie-me quando possíel! grato!)

emille disse...

vou começar com um "puta que pariu!"
Mas, é por que não vejo forma mais verdadeira e simples de expressar o que penso ao ler este texto agora!
Sabe aquela coisa que te surpreende e vc não tem nada mais a dizer do que isso na hora que acontece?! prontoo..é isso!
Aiai 'Dadázinho', o motivo de continuar passando por este blog de vez em quando é isso...ter o prazer de me surpreender com os textos aqui postados.
muuuuuuuito obrigadaa!!!

:D

bjus!

Palhares disse...

"Nego-me, na decência dos vencidos, a aceitar o que não fui capaz de evitar e não sou capaz de derrotar, sozinho"
Mas, o que mais me admira em você é o "não conseguir" fechar os olhos, porque mesmo assim creio que no fundo dessa alma cansada do injusto há dignidade e placidez para saber que tentar a cada manhã é um belo começo...

Irmã disse...

Texto perfeito professor! O senhor sempre dá show! ;D

Anônimo disse...

Parabéns professor belo texto .É triste ver como a mídia manipula cabeça de alguns jovens chegando ao ponto tornar-los a maioria das vezes alienados . Essa foto exemplifica bem isso o fato de um rapaz negro utilizando um simbolo nazista responsável por promover á eugênia e portanto o assassinato de varias raças inclusive a negra .