segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Guerrilha do Araguaia: desenterrando a verdade.


"A penúltima etapa de escavação feita pelo grupo de trabalho que procura encontrar e identificar as ossadas dos combatentes mortos no episódio que ficou conhecido como "Guerrilha do Araguaia" frustrou os integrantes da comitiva encabeçada pelo ministro da Defesa Nelson Jobim. Nenhuma ossada foi encontrada nos dois pontos de escavação.


Em outubro, os trabalhos serão interrompidos por conta do período chuvoso, mas segundo o ministro, isso não quer dizer que as buscas serão suspensas. A intenção do Ministério da Defesa e dos membros do grupo de trabalho, é que se consiga a efetiva participação dos militares que estiveram envolvidos na terceira e última etapa da operação militar contra a Guerrilha do Araguaia. Isso porque ao longo das últimas três décadas foi levantada a hipótese de que os militares teriam feito uma espécie de "operação limpeza", desenterrando corpos dos guerrilheiros e enterrando em outros locais. Um desses possíveis pontos seria na Serra das Andorinhas".

_____________________________________


Muitos que participaram do episódio da Guerrilha do Araguaia, durante os nossos "anos de chumbo", ainda estão desaparecidos. A violenta repressão contra os membros da Guerrilha simboliza a natureza repressora e intolerante dos anos da "ditadura total", sintetizados nos governos Linha Dura do Regime. O ministro tem razão quando afirma que a colaboração do exército na operação contribui para a reconciliação das forças armadas com a sociedade brasileira.


E você, aluno e leitor, o que acha dessa ação do governo em busca de mais verdades sobre nossa história?


4 comentários:

OTONIEL AJALA DOURADO disse...

SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ:

No CEARÁ, para quem não sabe, houve também um crime idêntico ao do “Araguaia”, porém pior em suas proporções, foi o MASSACRE praticado por forças do Exército e da Polícia Militar do Ceará no ano de 1937, contra os camponeses católicos do Sítio da Santa Cruz do Deserto ou Sítio Caldeirão, quando através de bombardeio aéreo, e depois, no solo, com tiros de fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram mulheres grávidas, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas.

Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará foi de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO / CRIME CONTRA A HUMANIDADE é considerado IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira bem como pelos Acordos e Convenções internacionais, e foi por isso que a SOS - DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza - Ceará, ajuizou no ano de 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo que sejam obrigados a informar a localização exata da COVA COLETIVA onde esconderam os corpos dos camponeses católicos assassinados na ação militar de 1937.

Vale frisar que a Universidade Federal do Ceará enviou pessoal no início de 2009 para auxiliar nas buscas dos restos dos corpos dos guerrilheiros mortos no ARAGUAIA, esquecendo-se de procurar na CHAPADA DO ARRARIPE, interior do Ceará, uma COVA COM 1000 camponeses.

Seria discriminação por serem “meros nordestinos católicos”?

Ao final pedimos o apoio de V.Sa. nessa luta, no sentido de divulgar o crime praticado contra os habitantes do SÍTIO CALDEIRÃO, bem como, o direito das vítimas de serem encontradas e enterradas com dignidade, para que não fiquem para sempre esquecidas em alguma cova coletiva na CHAPADA DO ARARIPE.


Dr. OTONIEL AJALA DOURADO
OAB/CE 9288 – (85) 8613.1197
Presidente da SOS - DIREITOS HUMANOS
www.sosdireitoshumanos.org.br

Anônimo disse...

Em verdade acho que a ditadura fez bem em reprimir violentamente os elementos que pretendiam implementar o marxismo no Brasil pois eles evitaram um mal maior. Temos que ter uma mente mais critica: se os militares não tivessem reprimido a guerrilha do Araguaia eles teria iniciado uma serie de atos terroristas que com certeza levariam a morte muitos civis. A real intenção da chamada guerrilha do Araguaia esta muito bem documentada.

Bruno disse...

Opiniões como essa postada anonimamente aqui nesse comentário acima que foram divulgadas em jornais como a Folha de São Paulo para pôr na cabeça da população que o regime ditatorial militar estava com a razão, mesmo matando milhares de pessoas, as quais muitas nem se sabe como. Vergonha nos dias atuais alguém ainda pensar desta forma.

Maria Antonela disse...

Acho até interessante a ideia de conhecer e compreender a nossa história, mas tmb acho que existem coisas mais importantes pra se fazer. Como a impressão que tenho é a de que o Exército não faz nada, deixa eles procurarem... pelo menos não ficam no ócio.