domingo, 3 de outubro de 2010

A farsa da legitimidade.



A festa da democracia está na rua. Entre candidatos de sorriso largo e plataformas curtas, a ilusão do resgate da decência desfila em carros abertos, e as promessas de honestidade e trabalho saltitam de palanque em palanque. Adversários que outrora também juravam a verdade e testificavam a incompetência de seus competidores, execrando-os com asco, agora partilham o mesmo altar sagrado. Todos contritos e convictos de que os ataques do passado eram fruto do “calor da campanha” ou, ainda, produto do furor da emotiva jovialidade.



A festa da democracia está na rua. Cores enfeitam avenidas, vestem corpos e se desbotam na história. Jingles enaltecendo candidatos e alienando eleitores são exaustivamente repetidos como preces pela eleição; promessas se esvaem por esgotos a céu aberto; modernização em bocas de dinossauros da política é a palavra de ordem! Antigos caciques, pecuaristas de eleitores, proprietários de currais eleitorais, falam de honestidade com a autoridade de um cidadão probo, cumpridor dos deveres.



A festa da democracia está na rua. Filhotes de tiranossauros apresentam-se como o novo. Herdeiros da genética maldita da politicagem rasteira, da desonestidade tradicional, da incompetência testificada pela história, detentores dos chicotes de avós e pais, algozes de um povo crédulo e miserável lançam-se ávidos pelo poder que os encastelará em torres de catedrais que custaram o suor dos nossos pais e sua manutenção exigirá o nosso e de nossos filhos e netos.



A festa da democracia está na rua. Serviçais de alcovas, camareiros dos prostíbulos das escusas negociatas, arautos dos vendedores de ilusão tocarão as trombetas da esperança e os bobos da corte dos horrores desviarão a atenção do cidadão com a mesma maestria com que alguns dos seus senhores desviaram e, quem sabe, desviarão recursos públicos das mesas de nossas filhas e filhos.



A festa da democracia está na rua. A plebe circunvizinha do poder se refestelará na lama deixada pelas sapatilhas de pelica da elite como urubus famintos em carniça de monturo. Consciências serão prostituídas por alguns níqueis; saberes serão segredados em troca de algum posto que sangrará o erário público; algumas doações de campanha serão empréstimos que deixarão rubra a falta de vergonha. Decências usarão lentes escuras e não terão coragem de olhar nos olhos da verdade!



A festa da democracia está na rua. Ao final, as sobras das mentiras, os restos apodrecidos dos conchavos, os resquícios dos enxovalhos, os dejetos da orgia e o custo da festa serão nossos. Até quando, meu Deus?!.

8 comentários:

Pedro Fellipe disse...

Gênial !

Alcoforado .´. disse...

Infelizmente o marketing político e os meios de comunicação local confundem o povo e tiram dele a capacidade de investigar a verdade. Ainda existe o fato de certa parcela da nossa sociedade (poderosa, diga-se de passagem) ser totalmente dependente dessa indústria da politicagem, comprometida até as calças com a sua continuação. Fica difícil mudar alguma coisa quando é tudo enfiado "guela a baixo" na população. Realmente, é a grande festa da democracia.

Maquina Mortifera disse...

Caro amigo com certeza você publicará o seu maravilhoso texto nas próximas eleições, pois o que vimos na propaganda eleitoral gratuita foi mais do que vergonhoso.

emille disse...

Não vou dizer mais nada a respeito, apenas elogiá-lo, visto que já disseste tudo. Acredito que um dia haverei de receber um elogio como o que te 'dou' agora pelo seu texto, escreveste simplesmente magnificamente, foste sublime.
--
Perfeito e impossível não dizer nada.
Triste de saber que o seu "curral eleitoral" e seus discursos de sabedorias e bem dizeres ficam restrito a poucos neste vasto mundo, 'apenas' as salas de aula.
Beijo, maravilhoso!

Carolina Brito disse...

Sinto-me privilegiada em poder usufruir de tamanha criticidade e metáforas mais que adequadas, reveladoras das entranhas da realidade eleitoral do país. Pena que é ínfimo o contingente que tem acesso a blogs de qualidade como este, embora seja confortante saber que há pessoas imbuídas do talento de abrir os olhos daqueles que persistem em fazer parte da servidão coletiva.
SALVE ADAILTON!

Dircila Soares disse...

Poxa...
Caramba...
...
Você é _ _ _ _ !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Meu amigo...
Magnífico!!!!!
Poxa...
Que texto...
e QUE cabeça...
É um privilégio e uma honra ser sua aluna...
Parabéns!!!!Mente brilhante a sua...merece tres mil litros de babada!!!!rs...
bjs pra os que tambem estão de preto.

Iago Nego disse...

Fantástico!!

Maquina Mortifera disse...

Caro amigo DADÁ Maravilha Eu lhe avisei a oito anos atrás que você republicaria a postagem e não errei uma vírgula. Infelizmente os nossos políticos só nos envergonham e o pior é que os eleitores seguem os mesmos passos. Um abraço fique com DEUS.